Compositor, violonista, arranjador e produtor carioca de 1957, atua profissionalmente desde 1980, quando foi lançado o disco Alberto Rosenblit & Mario Adnet.

Em 1984 lançou seu primeiro disco solo, Planeta Azul. Nos anos 90 passou a ser gravado no exterior por intérpretes como Lisa Ono, Joyce, Charlie Byrd, Chuck Mangione, entre outros.

Em 1994 Tom Jobim incluiu em seu último álbum, Antonio Brasileiro, o arranjo de Maracangalha (Dorival Caymmi) feito por Adnet, o que projetou seu trabalho de. Em seguida lançou seu CD Pedra Bonita, com a participação de Jobim, e excursionou pelo Japão ao lado de Lisa Ono.

Entre 1998 e 2001 escreveu uma série de entrevistas com compositores e instrumentistas da MPB para o Segundo Caderno do jornal O Globo. Em 1999 lançou o CD Para Gershwin e Jobim  gravado entre o Rio e Nova Iorque. Depois vieram Villa-Lobos-Coração Popular (2000) e o segundo volume de Para Gershwin & Jobim, além de produzir, ao lado do saxofonista Zé Nogueira, o álbum duplo premiado Ouro-Negro, dedicado à obra do maestro Moacir Santos.

Entre 2001 e o primeiro semestre de 2003 esteve por três vezes no Japão trabalhando como arranjador dos CDs da cantora nissei Lisa Ono. Lançou no início de 2002 Rio Carioca, álbum dedicado à cidade do Rio de Janeiro. No mesmo ano, produziu para a gravadora carioca Biscoito Fino, o CD Reencontro (vários artistas) reunindo a obra do pianista e compositor Luiz Eça.

Em 2003 foram lançados o CD duplo e o DVD Jobim Sinfônico, projeto concebido e produzido por Mario Adnet e Paulo Jobim, registro definitivo da  obra orquestral de Tom Jobim, gravado ao vivo na Sala São Paulo, com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e participação de Milton Nascimento. Foi considerado pela Secretaria de Cultura de SP o melhor projeto do ano de 2002 e ganhador do Grammy Latino de 2004 na categoria de CD clássico, além de indicado ao Grammy americano em 2006, através do selo Adventure Music.

Em 2004 Adnet produziu mais um CD com a obra de Luiz Eça, Legrand Eça, Michel Legrand interpreta Luiz Eça, para a Biscoito Fino.

Em 2005 produziu, ao lado de Zé Nogueira, três songbooks com a obra de Moacir Santos, o DVD Ouro Negro, gravado no SESC Pinheiros em São Paulo, e o CD Choros & Alegria com composições inéditas do maestro, projetos patrocinados pela Petrobras. Em agosto se apresentou, a convite de Wynton Marsalis, no Festival de Jazz de Marciac, na França, ao lado do próprio Marsalis e de seus colegas Zé Nogueira, Marcos Nimrichter e Cyro Batista em concerto com a obra de Moacir Santos. Em setembro viajou com Paulo Jobim e o maestro Claudio Cruz para a Holanda onde apresentaram uma versão de Jobim Sinfônico na cidade de Haarlem com a Metropole Orchestra e a cantora Josee Koning.

Em 2006 gravou quatro projetos numa parceria da Adnet Mvsica com o selo Americano Adventure Music (de Richard Zirinsky Jr), Mario Adnet Mvsica (From the Heart), Muiza Adnet – As Canções de Moacir Santos, Samba Meets Boogie Woogie, este lançado apenas nos Estados Unidos, e Jobim Jazz, com o qual recebeu o Prêmio da Música Brasileira como melhor arranjador em 2007.

Em 2008 foi convidado pela produtora Monique Gardenberg e por Zé Nogueira para fazer a direção musical e os arranjos do show Homenagem a João Donato, com a banda Ouro Negro, dentro do projeto Itaú 50 anos de Bossa Nova. O show, com direção artística de Nelson Motta, foi apresentado em São Paulo e Rio com participação do homenageado e com os intérpretes Bebel Gilberto, Marcelo Camelo, Adriana Calcanhoto, Marcelo D2, Fernanda Takai e Roberta Sá.

No final do ano voltou ao Japão para produzir e arranjar mais um CD de Lisa Ono, Cheek To Cheek, lançado na Ásia, em março do ano seguinte.

Em 2009 produziu, com Philippe Baden Powell, o CD Afrosambajazz (projeto contemplado pelo edital Natura Musical), com a obra de Baden Powell para orquestra de metais, com shows de lançamento no Rio, São Paulo e Belo Horizonte.

Em maio de 2010 se apresentou com a Banda Ouro Negro no Jazz at Lincoln Center em Nova Iorque, a convite de Wynton Marsalis, em duas noites dedicadas à música do maestro Moacir Santos.  Em agosto recebeu o Premio da Música Brasileira de melhor arranjador pelo CD Afrosambajazz.

Em julho partiu em turnê por dez cidades brasileiras para apresentar o show Afrosambajazz, ao lado de Philippe Baden Powell, Mônica Salmaso e banda.

Lançou, em setembro, o CD O Samba Vai, voltando ao ofício de compositor, com parcerias inéditas com Paulo Cesar Pinheiro, João Donato, Bernardo Vilhena e João Cavalcanti.

Em março de 2011 gravou com uma big band o CD + Jobim Jazz, que rendeu a indicação de melhor arranjador na edição do Prêmio da Música Brasileira 2012.

Em dezembro foi lançado, em dois concertos no Auditório Ibirapuera em São Paulo, o CD Mario Adnet, Vinicius & os Maestros – com orquestra e convidados, antecipando as homenagens pelo centenário do poeta. O CD contou com as participações de Dori Caymmi, Joyce, Sergio Santos, Mônica Salmaso e Tatiana Parra.

Em 2012 gravou o CD Amazônia – Na Trilha da Floresta, apresentando um repertório dedicado à floresta, com músicas de Tom Jobim, Guinga, Villa-Lobos, Claudio Santoro, Waldemar Henrique, Dori Caymmi, Claudio Nucci, João Donato, Nelson Ângelo e do próprio Adnet. O CD conta com a participação de Lenine, Mônica Salmaso, Roberta Sá, Antonia Adnet e Vicente Nucci.

Em 2013, Mario Adnet ganhou dois prêmios nas categorias Arranjador e Projeto Especial com “Vinicius & Os Maestros” no 24ª edição do Prêmio da Música Brasileira. Ambos os projetos tiveram a colaboração de suas filhas Antonia e Joana Adnet como co-produtoras.