Samba Meets Boogie Woogie

2008

Adnet Mvsica

Produção executiva Richard Zirinsky, Jr.
Produção e coordenação Mariza Adnet
Assistente de produção Joana Adnet

Direção de arte e design Soter Design
Designer Luise Krause
Ilustração sobre foto (capa) Mariana Fontes
Fotografia Lucas Zappa e Marcio Isen (www.izfotos.com)
Gravado e mixado nos Estúdios Mega, Rio de Janeiro entre maio e junho de 2006
Engenheiro de gravação e mixagem Ronaldo Lima
Assistente Guthenberg
Gravações adicionais no Estúdio Casa do Mato, Rio de Janeiro e em Nova Iorque (ainda falta...)

Agradecimentos Cynthia e Francesca Zirinsky, Mike Marshall e Bob Corroon (Adventure Music), Ruy Castro, Rodrigo Faour, Rodrigo Alzuguir, Paulo Cesar de Andrade, Jairo Severiano, Paulinho Figueiredo, Ney Conceição, Raul de Barros (Tribuza), Cristophe Lidy (Garcia & Rodrigues), Heloiza (Mega)

‹ Voltar para discografia

Compre aqui o CD

Vale a pena esperar por bons lançamentos. Samba Meets Boogie Woogie foi gravado em maio e junho de 2006, mas a pós-produção deste trabalho levou quase dois anos. Finalmente, o CD foi lançado em outubro de 2008. Minhas expectativas foram satisfeitas.

A pesquisa do repertório ficou a cargo de Alfredo Del-Penho, que também se apresenta como um dos vocalistas no CD. Baseados nas gravações originais, os arranjos foram criados por Mario Adnet. Junte-se a estes dois Maucha Adnet, Mônica Salmaso, Zé Renato e Roberta Sá e temos assim Samba Meets Boogie Woogie. Apresentando-se às vezes como solistas e às vezes em duetos, estes cantores trazem seus talentos para esta coleção memorável com o apoio instrumental de músicos tais como Cristóvão Bastos (piano), Jorge Helder (baixo), Vittor Santos (trombone), Andréa Ernst Dias (flautas), Jovino Santos Neto (piano), Marcos Nimrichter (acordeão), Hamilton de Holanda (bandolim) e outros tantos músicos de calibre semelhantes.

A escolha do repertório em si não foi tarefa simples. As décadas de 1940 e 1950 foram anos férteis na música brasileira. Para se ter uma ideia de alguns sucessos dessa época basta que se mencione que O samba da minha terra (Dorival Caymmi), Morena Boca de Ouro (Ary Barroso) e Ai, que saudades da Amélia (Ataulfo Alves & Mário Lago) foram canções desse período. E esta pequena lista só vai até 1942! Dos meados de 1940 aos meados de 1950, a música brasileira construiu uma ponte ligando o tradicional ao moderno. Foi também durante este período que vários críticos apontam os precursores da bossa nova. Neste mesmo período também temos o apogeu do rádio na música brasileira. Para listar todos os cantores e compositores dessa fase aqui seria um tarefa fútil e incompleta.

O que torna Samba Meets Boogie Woogie uma preciosidade é, por um lado, o enfoque na música de Haroldo Barbosa, Denis Brean, Janet de Almeida, Jackson do Pandeiro e Assis Valente, por exemplo. Quando adicionamos os arranjos esmerados no CD, vemos mais uma vez a estampa de qualidade que Mario Adnet apresenta em seus trabalhos. Ele faz tudo parecer muito simples. Estas faixas contam a história do Brasil naquelas décadas. Por exemplo, Adeus América foi composta como um resultado da influência estrangeira no mercado musical brasileiro. A ideia oposta do Brasil mostrando uma influência no exterior se faz presente na letra que Denis Brean escreveu para a Baiana no Harlem. Nessa ele argumenta como seria o Harlem se uma baiana andasse por suas ruas. A histórica Boogie Woogie na favela, como conta as notas do CD, marca a primeira vez que uma canção brincou com a fusão entre o samba e o boogie woogie. E ainda temos também Chiclete com banana.

Essa abordagem com o divertido e o histórico faz de Samba Meets Boogie Woogie um lançamento cativante. Os artistas dão apresentações de alta classe. Este é um daqueles lançamentos que você provavelmente vai ouvir com frequência sempre. Ele traz substância e qualidade do princípio ao fim.