Instragram

Ouça Mario Adnet!

O que era inicialmente apenas uma plataforma de vídeos tornou-se atualmente uma ferramenta também de escutar músicas: o YouTube. Por esse motivo, criamos um canal oficial do Mario Adnet por lá, para disponibilizar grande parte de sua obra em vídeos.

Quer escutar os discos do artista, enquanto navega na internet? É só dar play!

Vinicius e Os Maestros

Clique aqui para escutar o disco

 

Um olhar sobre Villa Lobos

Clique aqui para escutar o disco

Choros e Alegria, de Moacir Santos

Clique aqui para escutar o disco

Jobim Jazz

Clique aqui para escutar o disco

+ Jobim Jazz

Clique aqui para escutar o disco

 

Afrosambajazz, com Philippe Baden Powell

Clique aqui para escutar o disco

Amazônia, na trilha da floresta

Clique aqui para escutar o disco

Escute aqui a faixa “Canto de Yemanjá”, do CD “Afrosambajazz”, com a participação especial de Mônica Salmaso.

Um encontro comovente em homenagem a Moacir Santos

O Festival Moacir Santos aconteceu no Teatro Santa Isabel, no último final de semana (02 e 03 agosto), em Recife. O festival contou com a participação de músicos nacionais e internacionais e com mesas redondas durante o dia e dois shows durante cada noite.

Mario Adnet se apresentou na segunda noite do festival com a banda Ouro Negro, projeto iniciado desde 2001, que conta com 18 temas de Moacir arranjados por Mario Adnet e Zé Nogueira.

O Quarteto Coisas abriu a segunda noite de apresentações. O grupo é composto por Maurício Carrilho (violão), Marco Cesar (bandolim), Paulo Braga (piano) e Andrea Ernest Dias (flauta), curadora do festival.  A ideia surgiu da tese de doutorado de Andrea, baseada na obra de Moacir Santos. Além de curadora, Andrea é flautista e produtora, integrante da Banda Ouro Negro e do Quarteto Coisas, criado especialmente para este festival.

Após sua apresentação, Mario  revelou sua alegria e emoção após fazer homenagem ao maestro:

“Muito emocionante o encontro de tantos talentos reverenciando o querido Maestro Moacir Santos em seu estado natal.

Estar próximo a pessoas que conviveram com ele, tanto de Recife e do sertão de Pernambuco, quanto dos Estados Unidos, foi uma experiência inesquecível.

Depois de 12 anos do projeto Ouro Negro, tenho a certeza de que Moacir Santos é uma COISA eterna e que muitos encontros como esse acontecerão em torno dessa alma tão generosa e genial. Salve Moacir!”

Composições e passagens desconhecidas foram reveladas ao público durante as apresentações. O Festival Moacir Santos apenas comprovou a universalidade do trabalho do maestro, trazendo múltiplos olhares sobre sua obra.

Veja como foi o evento no álbum de fotos no Flickr!

Mário fala sobre a repercussão do 24º PMB

O arranjador, produtor, cantor e músico Mario Adnet levou um susto quando viu seu nome concorrendo em duas categorias na 24ª edição do PMB, nas categorias de Melhor Arranjador e Melhor Projeto Especial/Álbum. E a surpresa foi ainda maior ao perceber que ele estava concorrendo consigo mesmo nas duas!

Na categoria de arranjador, ele concorreu com os discos “Amazônia, Na Trilha da Floresta”, “Um olhar sobre Villa-Lobos”, “Vinicius & Os Maestros”.

Na categoria de projeto especial, ele era finalista com os mesmos projetos e em ambos venceu com o álbum “Vinicius & Os Maestros”. Batemos um papo com ele para saber como a premiação repercutiu na sua vida.

Como foi competir com si próprio na 24ª edição do PMB, e ainda numa edição que homenageava Tom Jobim, com quem você tem uma forte relação?

Olha, foi bom e estranho ao mesmo tempo. Sempre estive longe do “mercado”, remando contra a maré. Então ser premiado por trabalhos que estão, de certa maneira, fora da mídia, do rádio e da televisão é sinal de que as coisas estão realmente mudando.

Sinto-me estimulado a continuar investindo nessa música brasileira em que acredito tão bem representada pelo Tom Jobim, reconhecida mundialmente pela sua riqueza e sofisticação.

Conte-nos um pouco da sua relação com a pessoa e a obra do Tom?

Me lembro bem de quando ouvi “Garota de Ipanema” , ainda menino. Foi uma das primeiras músicas que aprendi a tocar no violão. Aí a gente vai ouvindo as outras e entendendo o que é uma obra e como ela se forma, como uma “árvore genealógica”.

Conheci o Tom no final dos anos 70, mas só tivemos mesmo bons encontros musicais a partir de 1992. Foi um privilégio ter estado com ele mesmo por pouco tempo. O mais importante é essa riqueza que ele nos deixou, que com certeza vai durar pra sempre.

Mudou alguma coisa no seu trabalho depois dos prêmios?

Posso sentir um certo aumento do prestígio, com toda a divulgação que foi feita. Continuo trabalhando muito, sempre inventando e pensando muito sobre as mudanças que virão.

Fale sobre os projetos vencedores, do que você mais se orgulha deles?

Bom, os indicados foram três e considero todos vencedores. Os dois prêmios foram para VINICIUS E OS MAESTROS. Gosto igualmente de todos e da maneira como trabalhamos neles. Foram todos gestados em família. Produzimos juntos, eu, a Mariza, a Joana e a Antonia. (esposa e filhas de Mario)

O que mais gosto nisso tudo é juntar uma porção de gente boa, músicos maravilhosos, que é o que faz o resultado. Vou dizer o óbvio: ninguém faz nada sozinho!

Moacir Santos & Mario Adnet: saiba mais sobre essa parceria tão especial

Moacir José dos Santos nasceu em 1926, em Flores do Pajeú, interior de Pernambuco. Vindo de família muito pobre, começou a estudar aos 14 anos e já nesta idade dominava vários instrumentos como o violão, o bandolim e o banjo.

Maestro, compositor, arranjador e saxofonista, Moacir Santos formou-se em regência e  ficou conhecido mundialmente após ingressar na Rádio Nacional como saxofonista e em 1951, Moacir Santos foi promovido a arranjador e regente, ao lado de nomes como Radamés Gnatalli, Leo Peracchi e Lirio Panicalli.

Em 1967 o artista foi convidado a ir à Los Angeles para a estréia mundial do filme “Amor no Pacífico”, do qual havia sido compositor. Foi a partir desta ida aos Estados Unidos que o mercado internacional se abriu para Moacir e, desde esse evento, ele resolveu morar em Pasadena, na California, onde viveu compondo trilhas para o cinema e ministrando aulas de música.

Moacir Santos marcou a história da música com seus novos arranjos e é reconhecido internacionalmente como um dos maiores mestres da renovação harmônica da música popular brasileira.

Mario Adnet fez uma vasta pesquisa em torno de toda a obra de Moacir para depois iniciar o trabalho sobre o disco “Ouro Negro – CD duplo com regravações de músicas de Santos, que produziu junto com o saxofonista Zé Nogueira.  O trabalho foi complexo e bastante delicado: Mario Adnet reescreveu com Zé Nogueira os arranjos originais de Moacir Santos que, no caso das faixas “Coisas”, de 1 a 10, tiveram que ser transcritos a partir da audição do LP original de 1965, já que as partituras haviam se perdido.

No próximos meses Mario fará dois shows em homenagem ao compositor e saxofonista Moacir Santos. Confira as datas abaixo:

02 AGO – Recife

Banda Ouro Negro no Festival Moacir Santos / Teatro Santa Isabel

20 SET – Rio de Janeiro

Rock in Rio – Palco Sunset (Mallu Magalhães + Banda Ouro Negro)

Veja o Making Of do DVD “Ouro Negro”!

Para ouvir algumas faixas deste DVD, clique nas músicas abaixo:

“SOU EU”

“ODUDUÁ”

 “COISA Nº5 (NANÃ)”

Agenda de shows: confira!

Nos próximos meses, entre agosto, setembro e outubro, Mario Adnet estará em turnê pelo Brasil apresentando shows em homenagem a dois gênios da música brasileira: Moacir Santos e Tom Jobim.

No início de agosto, participa do Festival Moacir Santos, em Recife. Mario Adnet já produziu dois projetos em homenagem ao mestre Moacir.

Em 2001, lançou “Ouro Negro” e em 2005, “Choros e Alegria”. Em ambos os projetos, ele atuou como produtor , junto com Zé Nogueira. Saiba mais sobre os projetos na Discografia do site.

Em Setembro, mais um show celebrando o pernambucano, dessa vez no Rock in Rio. O show fará parte da programação do palco Sunset e terá a participação de Mallu Magalhães.

No dia 25 de Setembro, Mario começa a turnê “Jobim Jazz”. Mario já produziu dois álbuns com a obra do mestre Jobim.  “Jobim Jazz” em 2007 e “+ Jobim Jazz” em 2011.   O show passará pelo RJ (com a presença de Daniel e Paulo Jobim) e segue para Salvador, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Brasília, Belo Horizonte e São Paulo.

Saiba todas as datas!

02 AGO
Banda Ouro Negro no Festival Moacir Santos / Teatro Santa Isabel (Recife)

20 SET
Rock in Rio – Palco Sunset (Mallu Magalhães + Banda Ouro Negro)

25 SET
Jobim Jazz / Espaço Tom Jobim (Rio de Janeiro)
Participação especial de Paulo Jobim e Daniel Jobim

28 SET
Jobim Jazz / Teatro Castro Alves (Salvador)

04 OUT
Jobim Jazz / Teatro Santa Isabel (Recife)

05 OUT
Jobim Jazz / Teatro Via Sul (Fortaleza)

18 OUT
Jobim Jazz / Teatro Oi Araújo Vianna (Porto Alegre)

22 OUT

Jobim Jazz / Clube do Choro (Brasília)

25 OUT
Jobim Jazz / Sesc Palladium (Belo Horizonte)
Participação especial Lô Borges

31 OUT
Jobim Jazz / Auditório Ibirapuera (São Paulo)

Ouça Mario Adnet no YouTube!

Mario está disponibilizando sua obra em “vídeo cartelas” postados em seu canal oficial no YouTube. Clique aqui para ouvir o álbum “Um olhar sobre Villa Lobos”.
Ouça aqui a primeira faixa do disco, “A menina das nuvens “.

Para saber mais sobre o disco clique aqui.

24ª edição do Prêmio da Música Brasileira: Uma Noite Especial

A  24ª edição do Prêmio da Música Brasileira foi especial para Mario Adnet. O produtor e arranjador foi um dos grandes vencedores da noite levando dois prêmios nas categorias Arranjador e Projeto Especial  com “Vinicius & Os Maestros”. Ambos os projetos tiveram a colaboração de suas filhas Antonia e Joana Adnet como co-produtoras.

Confira as categorias que Adnet venceu:

Categoria Projeto Especial/Álbum:
Vinicius & Os Maestros – Orquestra e Convidados – Mario Adnet

Categoria Arranjador:
Mario Adnet – Vinicius & Os Maestros – Mario Adnet

Além da emoção de ganhar os prêmios, Adnet estava se sentindo mais que à vontade na premiação já que é um profundo conhecedor e admirador de Tom Jobim, o homenageado da noite. Adnet já lançou três discos inspirados nas obras do cantor e compositor, “Para Gershwin & Jobim” (1999), “Para Gershwin e Jobim – 2 Kites” (2001) e “Poema para Gershwin e Jobim (Japão)“, também de 2001.

Prêmio da Música Brasileira 2013

Prêmio da Música Brasileira 2013